Notícia

Criatório Villefort seleciona doadoras e reprodutores A2A2

Criatório Villefort seleciona doadoras e reprodutores A2A2

Fonte: Adilson Rodrigues - PecPress Imprensa Agropecuária

Contato: rafael@pecpress.com.br
Data: 21/06/2017

O criador Vírgílio Villefort antecipa uma tendência mundial voltada à produção de leite saudável e natural que não causa alergia em humanos.

O Criatório Villefort selecionou seu plantel para iniciar a produção de leite A2A2 e derivados. É o primeiro criatório no Brasil a realizar, em grande escala, o mapeamento genético da proteína beta-caseína A2, optando por manter em seu rebanho exclusivamente animais A2A2.  Virgílio Villefort acredita no potencial desse mercado, porque a população está preocupada com saudabilidade e as pesquisas indicam  crescimento forte de produtos especiais e diferenciados no Brasil e no mundo.

Já foram analisadas 6.997 cabeças de gado Puro de Origem (PO) das raças Gir Leiteiro, Guzerá, ambas de origem indiana, incluindo animais das raças Girolando e Guzolando, criados em fazendas localizadas em Morada Nova de Minas e Jaíba, todas em Minas Gerais. Ao inovar em sua produção, o criador antecipa uma tendência mundial. “Em alguns países como Austrália e Nova Zelândia, empresas já investem fortemente nesse mercado de leite A2A2. Eu acredito que em torno de 25 anos toda a população mundial já esteja consumindo o leite A2A2”, defende. No criatório Villefort já são produzidos 2000 litros/dia de leite A2A2 e a expectativa do criador é que até 2019 a produção ultrapasse 8.000 litros/dia.

MAPEAMENTO GENÉTICO - A Genotipagem de beta-caseína é um teste que determina, com alta precisão, os alelos da beta-caseína A1 e A2 - proteínas encontradas no leite de vaca. Assim, é possível fazer a separação dos animais que poderão produzir o leite A2A2, ou seja: que contém apenas a proteína beta-caseína A2.

De acordo com a bióloga Cássia Pimenta, do laboratório Gene Genealógica, que conduziu os testes do Criatório Villefort, algumas pesquisas afirmam que originalmente todos os bovinos produziam leite que apresentava apenas a proteína A2, mas por volta de 5 a 10 mil anos atrás, uma mutação genética ocorreu nas vacas do norte da Europa e a proteína A1 começou a aparecer no leite. Essa teoria também é defendida pelo cientista Keith Woodford, autor do livro Devil in theMilk (Diabo no leite), primeira publicação internacional sobre o tema. 

A bióloga explica ainda que hoje os bovinos podem apresentar três tipos de genótipos: o A1A1, o A1A2 e o A2A2. As vacas com genótipo A1A1 produzirão apenas leite com beta-caseína A1, e as vacas com genótipo A1A2 vão produzir leite com os dois tipos de proteína.  Já os animais com genótipo A2A2 produzirão leite somente com beta-caseína A2. 

Os touros reprodutores também possuem essas variações de genótipo, que são transferidos para os seus descendentes. Com o mapeamento, o criatório pode selecionar e priorizar a reprodução apenas com animais A2A2, garantindo descendências sem variação. O mapeamento realizado pelo Criatório Villefort também tem como objetivo selecionar reprodutores e doadoras com genótipos A2A2 para abastecer o mercado nacional, promovendo em outros criatórios brasileiros o melhoramento genético da qualidade do leite e consequentemente a valorização dos rebanhos. 

ENTENDA O PROCESSO DE DIGESTIBILIDADE DO LEITE A1A1 e A2A2 - Em pesquisas preliminares, as proteínas do leite A1 e A2 mostraram ter um comportamento distinto durante o processo de digestão. O médico e pesquisador da Universidade de Montes Claros, João Felício, explica que há estudos que associam o uso do leite A2A2 a menos processos de intolerância e alergia ao leite da vaca, entretanto, ainda há a necessidade de estudos conclusivos.

O médico alerta que a alergia à proteína do leite de vaca não deve ser confundida com a intolerância a Lactose, porque são quadros bem diferentes. “A intolerância a Lactose ocorre pela deficiência no organismo da enzima Lactase. Já as manifestações da alergia à proteína do leite estão associadas a um peptídeo derivado da proteína chamado beta-casomorfina -7 (BCM-7)”, explica. 

Há mais de dois anos, o criador Virgílio Villefort vem realizando testes com o leite A2A2 e derivados.  Voluntários, inclusive crianças, que sofrem da alergia a proteína do leite consumiram os produtos e relataram não apresentar os sintomas alérgicos. Virgílio percebeu que várias pessoas que tem alergia da proteína do leite A1A1 ou A1A2 confundem e acham que tem alergia a Lactose. Virgílio diz que não é uma novidade e somente está fazendo um trabalho de volta ao passado. “Fui criado na roça tirando e tomando leite de vaca Zebu e não existia naquela época pessoas que passavam mal com Lactose do leite. Portanto, acredito que esta mutação genética ou “contaminação” não existia no passado na minha região, pois só tinham vacas Zebuínas”, esclarece.

Outra vantagem relacionada ao leite A2A2 é seu alto teor de gordura e proteína, resultando em maior rendimento nos processos industriais, o que faz dele um produto muito valorizado no mercado.